TramandoEsopo estreia nos dias 1 e 2 de dezembro

28/11/2018

"TramandoEsopo" é a mais nova montagem do TheatroFúria, que chega nos dois primeiros dias de dezembro e vai à cena na Sala Anderson Flores do Cine Teatro Cuiabá. Para celebrar os 20 anos do grupo. 

Duas décadas é uma trajetória respeitável para um grupo teatral em Mato Grosso. Quando se trata de um grupo que já fez e aconteceu e resistiu ao passar dos anos, nada mais justo do que resgatar a palavra de um autor fabuloso, que viveu há mais de 2.500 anos.

O Fúria leva ao palco as histórias de Esopo, um escravo também da sapiência, por meio de uma releitura que tem a proposta de conquistar pais e filhos, desde que sejam relativamente sabidos. Ou sábios.

O grupo se utiliza da técnica da manipulação de objetos para ilustrar as narrações. Parte deste espetáculo foi testado em alguns ensaios abertos, entre eles a Mostra de Processos da Aldeia Guaná, em setembro deste ano. 

Na ficha técnica do espetáculo Péricles Anarckos é responsável pela concepção, narração, texto e adaptação das histórias. Carolina Argenta assina a ambientação, figurino, voz do narrador e produção.

"TramandoEsopo", enfim, é o presente que o TheatroFúria preparou para agradecer os 20 anos de fidelidade de seu público e dar as boas vindas à nova geração de amigos do Fúria. 

A classificação é livre para todas as idades e "TramandoEsopo" será encenado na sala Anderson Flores. Os ingressos estão a dez e vinte reais, sendo vendidos à partir do dia 27/11 na bilheteria do Cine Teatro Cuiabá, aberta de terça a domingo das 14 às 18h. 

No sábado (01/12) é encenado às 20h, enquanto no domingo (02/12), às 19h30.

 

esopo

 

Esopo

Esopo nasceu em Nessebar, cidade da Bulgária, em uma data não registrada historicamente. Faleceu em Delfos (Grécia), no ano de 564 a.C. A ele são atribuídas as fábulas, como gênero literário. 

Seus escritos, através da tradição oral, se disseminaram em muitas línguas. Na maior parte de seus textos, os animais são falantes e apropriados com as características humanas.

As fábulas de Esopo serviram como base para recriações de outros escritores ao longo dos séculos, como Fedro (século I d.C.) e La Fontaine (1621-1695). 

A Esopo são atribuídas fábulas já perpetuadas como "A cigarra e a formiga"e  "A tartaruga e a lebre", entre inúmeras outras.

As histórias proclamadas por Esopo sugerem normas de conduta que são exemplificadas pela ação dos animais (mas também de homens, deuses e mesmo coisas inanimadas). Ele partia da cultura popular para compor seus escritos. Os seus animais falam, cometem erros, são sábios ou tolos, maus ou bons, exatamente como os homens. A intenção de Esopo, em suas fábulas, era mostrar como os seres humanos podiam agir, para bem ou para mal. (*com assessoria e diversos sites)

http://www.tyrannusmelancholicus.com.br/noticias/11499/estreia-nos-dias-1-e-2-de-dezembro